Cemitério de Trens de Uyuni é metáfora existencial

Cemitério de Trens de Uyuni é metáfora existencial

 

“Assim é a vida”. Este é um dos escritos mais marcantes que se pode ler nas carcaças dos trens abandonados em Uyuni. A atmosfera desse cemitério ferroviário no Altiplano Boliviano provoca devaneios e transforma muitos dos que o descrevem em filósofos ocasionais. É a decadência e o abandono, dois dos maiores temores do ser humano, em forma bruta e eloquente.

O Cemitério de Trens de Uyuni foi o ponto final de um surto de progresso que tomou a Bolívia entre o final do século XIX e início do século XX. Nesse período, uma linha férrea foi concebida pelo presidente Aniceto Arce, que vislumbrava trens transportando as riquezas do seu país como o estanho, prata e ouro até Antofagasta, antiga saída boliviana para o Pacífico. Os ingleses se associaram nessa empreitada e, em 1892, estava finalizada a construção do empreendimento da Antofagasta and Bolivia Railway Companies.

A primeira oposição que a linha férrea sofreu foi dos índígenas Aymarás. Eles viam a ferrovia como uma ameaça à sua sobrevivência e a sabotaram continuamente. Ainda assim, os trens bolivianos prosseguiram em sua linha, despejando riqueza no terminal de Antofagasta e voltando carregado de gente que queria fazer a vida na Bolívia, nem sempre com as melhores das intenções. Esse movimento seguiu até anos 1940, quando a prata boliviana já tinha enchido suficientemente muitos bolsos de estrangeiros, que, àquela altura, decidiram que era hora de explorar outros lugares mais rentáveis. A Bolívia também perdeu sua saída para o mar, com isso, o ponto final dos trens dos sonhos de Aniceto Arce, ficou sendo Uyuni – para sempre.

Muitos turistas que chegam até a região de Uyuni para visitar a sua maior atração, o Salar, uma das paisagens mais surreais do planeta, sequer sabem da existência do cemitério de trens. Passam a conhecer por que a primeira parada de quase todas as excursões que partem para o deserto de sal é o local onde os trens estão abandonados. Eu recomendo que se você chegar a Uyuni um dia antes da excursão ao Salar, vá até o Cemitério de Trens num fim de tarde, horário em que não há quase nenhum turista. Bom momento para formular sua própria teoria filosófica existencial.

VEJA A GALERIA DE FOTOS DO CEMITÉRIO DE TRENS DE UYUNI
 


 
 

6 Comentários

  1. Léo, é assim, que, aos poucos vamos desvendando o segredo da finalidade de nossas existências e abandonando o pressuposto de que não há finalidade alguma! Forte abraço. Vaz.

    Responder
    • Vaz,
      é bom que as pessoas descubram isso bem antes de chegarem no final da linha :)
      Abração

      Responder
  2. Belas imagens do fim de um ciclo! seu olhar nos leva a imaginar como era antes e depois. No horizonte a luz que desenha nas ferrragens o que ficou no maior e absoluto esquecimento. Valeu!

    Responder
    • Lêdo,
      Minha satisfação é saber que há imaginação por trás do observador das fotos, pois pra mim a fotografia é apenas um indício do que aconteceu antes e depois dela. No caso desses trens, o antes pode se contabilizar em décadas. Obrigado pela visita e o olhar também contemplativo.
      Abraço

      Responder
  3. Parabéns pelo texto. Excelente.

    Estive na Bolívia recentemente e quando cheguei no cemitério de trens pensei algo muito parecido com o que você descreve. Aquilo era a síntese do que seus idealizadores menos desejavam: decadência e o abandono. Reflexo oposto ao objetivo inicial da estrada de ferro.
    Estou escrevendo minha experiencia pela Bolívia e colei o link do seu post no blog (https://goo.gl/b5md7R). Gostei bastante, e suas fotos são incríveis.
    Abs.

    Responder
    • Olá, Ricardo.
      Primeiramente, obrigado pela visita aqui ao site e à referência no seu blog.
      Bom saber também que tem muitas pessoas tendo experiências incríveis nesse verdadeiro mundo a ser descoberto, que é a nossa América Latina.
      Grande abraço!

      Responder

Trackbacks/Pingbacks

  1. Tour de 3 dias pelo Salar de Uyuni | - […] primeira parada é no famoso “cemitério de trens”, que fica bem pertinho do centro de Uyuni. Um emaranhado de …
  2. Salar de Uyuni: dia 1 | Paula Drummond - […] elas saem lindas mesmo sem muito esforço. Se quiser saber um pouco da história do lugar, esse blog tem umas informações …

Enviar Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Share This