Cemitério de Trens de Uyuni é metáfora existencial

Cemitério de Trens de Uyuni é metáfora existencial

 

“Assim é a vida”. Este é um dos escritos mais marcantes que se pode ler nas carcaças dos trens abandonados em Uyuni. A atmosfera desse cemitério ferroviário no Altiplano Boliviano provoca devaneios e transforma muitos dos que o descrevem em filósofos ocasionais. É a decadência e o abandono, dois dos maiores temores do ser humano, em forma bruta e eloquente.

O Cemitério de Trens de Uyuni foi o ponto final de um surto de progresso que tomou a Bolívia entre o final do século XIX e início do século XX. Nesse período, uma linha férrea foi concebida pelo presidente Aniceto Arce, que vislumbrava trens transportando as riquezas do seu país como o estanho, prata e ouro até Antofagasta, antiga saída boliviana para o Pacífico. Os ingleses se associaram nessa empreitada e, em 1892, estava finalizada a construção do empreendimento da Antofagasta and Bolivia Railway Companies.

A primeira oposição que a linha férrea sofreu foi dos índígenas Aymarás. Eles viam a ferrovia como uma ameaça à sua sobrevivência e a sabotaram continuamente. Ainda assim, os trens bolivianos prosseguiram em sua linha, despejando riqueza no terminal de Antofagasta e voltando carregado de gente que queria fazer a vida na Bolívia, nem sempre com as melhores das intenções. Esse movimento seguiu até anos 1940, quando a prata boliviana já tinha enchido suficientemente muitos bolsos de estrangeiros, que, àquela altura, decidiram que era hora de explorar outros lugares mais rentáveis. A Bolívia também perdeu sua saída para o mar, com isso, o ponto final dos trens dos sonhos de Aniceto Arce, ficou sendo Uyuni – para sempre.

Muitos turistas que chegam até a região de Uyuni para visitar a sua maior atração, o Salar, uma das paisagens mais surreais do planeta, sequer sabem da existência do cemitério de trens. Passam a conhecer por que a primeira parada de quase todas as excursões que partem para o deserto de sal é o local onde os trens estão abandonados. Eu recomendo que se você chegar a Uyuni um dia antes da excursão ao Salar, vá até o Cemitério de Trens num fim de tarde, horário em que não há quase nenhum turista. Bom momento para formular sua própria teoria filosófica existencial.

VEJA A GALERIA DE FOTOS DO CEMITÉRIO DE TRENS DE UYUNI